A importância de olhar nos olhos

A cada dia que passa notamos com mais evidência a evolução da tecnologia em nosso dia a dia. Hoje é difícil encontrar uma criança, adolescente, jovem ou adulto que não tenha contato com celulares, computadores, smartphones, entre outros.

Não vejo como algo ruim, porém nota-se que muitos estão se fechando no mundo conectado, dificilmente hoje vemos pessoas marcando encontros, criando laços de amizades, tendo tempo de qualidade com familiares e amigos.

Estamos numa geração conectada e carente de atenção, diálogo e afeto.

Infelizmente valores, princípios e atitudes básicas que se tinham em família há alguns anos, estão se perdendo. Sabemos o quão é importante evoluirmos, mas devemos ter ciência que o básico é fundamental e é o que produz efeito.

O “olhar nos olhos” está se perdendo, hoje as pessoas não se enfrentam mais para conversar e quando isso tem que acontecer, devido a alguma circunstância, nota-se acanhamento, pois não e sabe lidar com a situação e sentimentos em exposição.

Vivemos numa sociedade sedenta do olhar do outro. A ausência do olhar compromete nossa estrutura física, mental e psicológica. Estamos carentes de olhares profundos e de aceitação.

Vejo que infelizmente estamos transferindo esse comportamento às nossas crianças, com o pensamento de que basta ser afetivo e pleno nas redes sociais, porém tenho esperança que podemos mudar e fazer diferente. Porque é através do “olhar nos olhos” que sabemos quem somos e o que poderemos ser.

Creio que tudo gira em torno de escolhas e decisões, muitas vezes nossa escolhas irão na contra mão do mundo, seremos vistos com olhares julgadores e difamados como “desconectados”, porém o “olhar nos olhos” gera confiança, segurança e afeição. É através do olhar que a criança, adolescente, jovem ou adulto se sente amado e bem quisto.

Sou ciente que é uma luta diária, mas com probabilidade enorme de ser vencida.

O olhar tem poder transformador, com ele transmitamos alegria, ira, tristeza, proteção e criamos vínculos que se leva para a vida toda.

Já dizia o salmista “Desvia os meus olhos das coisas inúteis”! Que possamos nos desviar do que não gera afeto e aproximar do que motiva princípios verdadeiros e eternos!

 

Carla Karina Leal Alves

Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental da Escola Inovação do Saber