Imaginação

A arte de imaginar nos possibilita criar estratégias, conceitos e perspectivas diante de um mundo que nos bombardeia constantemente com situações adversas. Estas que, muitas vezes nos surpreendem ao nos cobrar soluções ímpares, originais e inovadoras. E como consegui-las?

Ora, pela imaginação! Como? Estímulos que devem acontecer desde a infância. Estimular uma criança a tornar-se um agente pensante é, ao mesmo tempo, criar um aparato que busque projetar no ser que pensa um imaginário com múltiplas escolhas de como solucionar problemas.

É natural do processo de desenvolvimento da criança/adolescente agregar aspectos de sua imaginação ao seu dia a dia, e, representar por meio de expressões que compreendam as várias faces da arte (literatura, pintura, escultura e tantas outras) o seu imaginário. Crianças e adolescentes que conseguem exprimir de maneira clara e objetiva suas ideias e pensamentos passaram antes pelo crivo da imaginação. Conseguiram compreender o que é real e irreal, de acordo com sua faixa etária e fase de amadurecimento racional.

Segundo a maior celebridade do século XX, o físico Albert Einstein, “(...)a imaginação é mais importante que a ciência, porque a ciência é limitada, ao passo que a imaginação abrange o mundo inteiro.”. É com a imaginação que se constroem conhecimentos capazes de modificar os rumos da história. O que move o mundo são os questionamentos e indagações surgidas em nossos pensamentos, e sim, também guiadas pela imaginação.

 

(Atividade realizada com os alunos dos 2ºs anos A e B nas aulas de Arte, cujo objetivo era explorar o imaginário infantil)

 

Juliana Eluize Kureke

Graduada em Filosofia pela PUC PR

Especialista em ÉTICA e HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE pela PUC PR

Professora de Arte, História e Filosofia